• Guia

Preço da passagem de ônibus para Capital sobe mais de R$ 15

Foi aprovado no último dia 28 de agosto, pela Agência Estadual de Regulação dos Serviços Públicos Delegados (Agergs), o reajuste de 10,43%, em 1,7 mil linhas de ônibus intermunicipais a longo curso.

Em São Borja, de acordo com a estação rodoviária, a suba vale para as empresas Ouro e Prata, Planalto, Real, Reunidas, São João e São Pedro.

O aumento está valendo desde à tarde de quarta-feira. Fizemos um levantamento e os preços para os destinos mais procurados estão assim:

Planalto Semidireto – São Borja x Porto Alegre R$ 146,05

Planalto Executivo – São Borja x Porto Alegre R$ 188,15

Planalto Semidireto – São Borja x Santa Maria R$ 75,30

Ouro e Prata Leito - São Borja x Porto Alegre R$ 231,00

São Pedro Semidireto – São Borja x Santa Maria R$ 75,30

Habilitação de pescadores artesanais acontece até o final de setembro

Os mais de 200 pescadores artesanais têm até o final de setembro para realizar a habilitação e ter direito ao seguro defeso já no mês de outubro.

A partir de agora, o procedimento deixa de ser feito pelo Ministério do Trabalho e Emprego e passa a ser de responsabilidade do Ministério da Previdência, através do INSS.

A unidade local do instituto definiu de 14 a 18, deste mês, o credenciamento dos 84 pescadores filiados à associação no município. Já os 133 pescadores ligados à Colônia Z-21 serão habilitados ao longo da segunda quinzena, mediante a agendamento já acertado com o INSS.

Passam a ser exigidos menos documentos sobre as embarcações dos pescadores, sendo necessário uma atualização, principalmente, de documentação pessoal e profissional. O seguro defeso, correspondente a um salário mínimo mensal, que será pago de outubro a janeiro, durante a piracema, época destinada à reprodução dos peixes.

O presidente da Colônia Z-21, Edson Fraga, avalia que não é bom o momento para a prática da pesca artesanal na Bacia do Rio Uruguai uma vez que já começaram a faltar espécies com pesca permitida, como traíra, jundiá, pati, bagre e piava.

Quanto à pesca de dourado e surubi, suspensa desde 2002, o consenso entre os pescadores é que há anos já pode ser novamente liberada, mas isso depende do governo estadual.

Gás de cozinha está custando R$ 60 em São Borja

O preço do gás liquefeito de petróleo para uso residencial, envasado em botijões de até 13 kg, foi reajustado na terça-feira (1).

O aumento de 15% foi o primeiro desde 2002, segundo a Petrobras. A maioria das distribuidoras, em São Borja, aguarda o posicionamento oficial das prestadoras do serviço para elevar os preços.

O valor ainda não foi reajustado em todos os estabelecimentos e ainda é possível encontrar o botijão a R$ 48. As empresas que já elevaram a taxa informaram que o produto está custando entre R$ 58 e R$ 60.

Aposentados e pensionistas da prefeitura precisam atualizar cadastro

Os mais de 400 aposentados e pensionistas da prefeitura de São Borja precisam atualizar as suas informações.

Eles devem comparecer ao departamento do fundo previdenciário, junto à secretaria da Administração e Fazenda, para assinar um atestado de vida e conferir os dados do sistema cadastral.

Quem não comparecer corre o risco de ter suspenso o pagamento da aposentadoria ou pensão.

Dissídio dos comerciários ainda não foi definido

Os comerciários de São Borja vivem um momento preocupante em relação ao dissídio coletivo anual. A data-base para a correção do salário era março, mas até agora nada foi definido.

O Sindicato Patronal do Sindilojas sugere um aumento de 16% em relação ao piso de R$ 914, que havia sido fixado no ano passado. Esse índice, abrangendo a reposição da inflação é o mesmo aplicado como reajuste ao salário mínimo regional, questão que está sendo discutida na Justiça.

Fecomércio e Sindilojas estariam esperando decisão do Judiciário para avançar as negociações com os comerciários. Em São Borja, cerca 1,2 mil trabalhadores integram a categoria.

Dinheiro da Prefeitura é bloqueado pela falta de pagamento da previdência dos funcionários

Em entrevista a Empresa São-borjense de comunicação, o Secretário da Fazenda, Bruno Maurer e o Prefeito Farelo Almeida, traçaram um panorama sobre a situação econômica de São Borja.

As notícias não são nada agradáveis. Isso porque, a verba referente ao parcelamento do fundo de previdência dos funcionários está bloqueada, devido ao atraso na parcela do mês de junho.

Como consequência cerca de R$ 490 mil do fundo de participação do Município está retido. Segundo o Secretário da Fazenda, Bruno Maurer, toda a verba que entra nos cofres públicos está bloqueada até o montante total da dívida ser quitado.

A situação é a mesma do governo do Estado. Devido à falta de repasses dos órgãos Estadual e Federal a situação econômica é agravante e não há como prever o pagamento dos salários do mês de agosto ao funcionalismo público.

O estado deposita o valor do ICM toda a terça-feira. A previsão era que fosse liberado o montante de R$197 mil, porém foram recebidos apenas R$92 mil. Sendo que o valor da folha do funcionalismo, com os encargos, chega a R$5 milhões.

Alternativa

Como forma de conter os gastos algumas demissões de cargos de confiança já estão acontecendo. Cerca de 20 CCs foram exonerados.

Quanto aos convocados no concurso público, o secretário explica que não há um aumento nos gastos, mas sim a substituição de contratados temporários por concursados. Nos próximos dias, cerca de 90 contratos estão vencendo na área da saúde.

Os aprovados no concurso deverão ser chamados em até um mês. Tempo suficiente para estabilizar as finanças do município, de acordo com a Prefeitura.

Expediente

Andres Editora Jornalística Ltda.
Rua General Osório, 2341/Sala 1 - Centro São Borja,RS - 97670-000

Fones: (55)3431-1100 / 3431-2394
Email: [email protected]

assinatura