Susepe e Polícia Civil suspendem atividades

Os servidores da Polícia Civil também estão com as atividades suspensas nas delegacias do estado. Um dos diretores da Ugeirm Sindicato, que representa escrivães, inspetores e investigadores, Cláudio Wohlfahrt, esclareceu que a paralisação das atividades começou às 8h e vai até às 18h.

Em nota oficial, o presidente da Asdep, representativa dos delegados, Wilson Muller Rodrigues, manifestou respeito e apoio às medidas anunciadas diante da notícia de parcelamento da remuneração dos servidores públicos.

Em São Borja, os integrantes da Polícia Civil paralisaram os serviços nesta segunda-feira. Somente estão sendo registrados crimes de homicídio, latrocínio, Lei Maria da Penha e ocorrências que envolvam menores de idade. Os policiais civis estão reunidos em frente a delegacia.

Já no Presídio Estadual de São Borja estão suspensas, parcialmente, atividades internas com detentos, transporte de apenados para audiências e transferência de presos, segundo o Diretor do Presídio, Anderson Lovatto.

Ficam mantidos o cumprimento de alvarás de soltura e o recebimento de prisões em flagrante, bem como os serviços de alimentação e saúde.

Maioria dos bancos atendem normalmente na cidade

Os bancários no estado conseguiram uma liminar na Justiça do Trabalho que garante a possibilidade de agências fechadas caso não haja policiamento nas ruas.

Segundo o Sindbancários caso não haja segurança para manter as atividades, os bancos ficarão fechados ao longo do dia.

Em São Borja, o presidente do Sindicato dos Bancários, Jânio de Brum, disse que as atividades só serão suspensas, caso não aconteça o policiamento ostensivo na cidade.

Como a Brigada Militar está trabalhando, normalmente, os bancos também realizam suas atividades.

O único banco que está fechado é o HSBC.

Professores paralisam as atividades em São Borja

A semana começa com paralisação em diversas categorias. Como já havia sido anunciado, as escolas estaduais interrompem as atividades nesta segunda-feira (3).

Em São Borja, a maioria das instituições não abriu as portas. Os professores estão sendo orientados a participar do plenário em educação, organizado pelo Cpers sindicato, que acontece a partir das 15h, na escola Apparício Silva Rillo.

Segundo a Diretora do Cpers, Fátima Contreira, hoje, a paralisação acontece de forma geral. A partir de amanhã, até o dia 18, quando será realizada a assembleia geral, as aulas serão ministradas em um turno.

A Coordenadoria Regional de Educação aguarda um parecer da Secretaria de Educação, mas a orientação é para que os pais entrem em contato com as escolas para mais detalhes.

Na última sexta-feira, o governo do estado anunciou que os salários do mês de julho dos servidores seriam parcelados. As escolas Apparício Silva Rillo, Padre Francisco Garcia, Getúlio Vargas e Tusnelda Lima Barbosa não tem aula.

Brigada Militar protesta na BR 472

Assim como em outras cidades, em São Borja, no final de semana, um protesto aconteceu no trevo de acesso a BR 472.

Como forma de manifestação a Brigada Militar utilizou um boneco fardado, faixas e objetos que foram queimados no local. Essa foi à única mobilização realizada pela BM no munícipio.

Em Santiago, na madrugada de sábado, a BM também protestou na BR 287, Km 399.

Associação tenta retomar pesca de espécies proibidas

Novos dados apontam que ainda vai demorar a liberação da pesca do dourado e surubi, suspenso desde 2002, nos rios da Bacia Hidrográfica do Uruguai.

Há alguns anos os pescadores da região tentam a liberação, mas o Departamento de Recursos Hídricos da Secretaria Estadual do Meio Ambiente argumenta que ainda é preciso uma análise técnica.

Em São Borja, há vários anos, como fizeram durante o governo Yeda Crusius, a Associação dos Pescadores e a Colônia Z-21 vêm tentando retomar as atividades. Um dos argumentos é que esses peixes já foram recompostos.

Segundo o Presidente da Associação, Idalêncio Silva Mello, quase 300 pescadores artesanais estão cadastrados no município e estariam enfrentando dificuldades já que as enchentes constantes atrapalham os trabalhos.

Aulas iniciam na próxima semana, mas professores podem paralisar as atividades

O retorno das atividades escolares, da rede municipal, iniciam na próxima segunda-feira (3). Devido à enchente do rio Uruguai e às dificuldades do serviço de transporte escolar, as férias foram antecipadas para 16 de julho, uma semana antes do previsto.

Segundo a secretária da Educação, Maria Denise Lunardine do Amaral, o calendário foi ajustado e todas as aulas previstas serão ministradas.

Devido à enchente, a escola municipal República Argentina foi utilizada para abrigar famílias atingidas e na escola Francisco Miranda foram realizadas refeições para distribuir aos desabrigados.

Rede Estadual

Nas escolas da rede estadual as aulas do segundo semestre letivo também começam na próxima segunda-feira. No entanto, professores e funcionários da escola poderão paralisar atividades na segunda, se o governo do Estado atrasar ou parcelar o salário de julho.

Para 18 de agosto, o Cpers, sindicado dos trabalhadores em educação, tem programada assembleia geral e uma das hipóteses é a deflagração de greve.

As férias na rede estadual foram de duas semanas aos estudantes e os professores tiveram uma semana de jornada pedagógica.

Expediente

Andres Editora Jornalística Ltda.
Rua General Osório, 2341/Sala 1 - Centro São Borja,RS - 97670-000

Fones: (55)3431-1100 / 3431-2394
Email: [email protected]

assinatura