• Guia

Desabastecimento começa a preocupar a população

As paralizações dos caminhoneiros em todo o país, que entraram no seu oitavo dia, estão trazendo sérias consequências para a população. A cidade está sem combustíveis e sem gás de cozinha desde a semana passada e muitos produtos alimentícios, como hortifrutigranjeiros e congelados, já estão em falta nos supermercados. Na manhã desta segunda-feira, dia 28, nem postos nem revendas sabiam informar quando terão o produto à venda novamente.

 

Nos supermercados, além do desabastecimento, há queixas com relação à alta exorbitante de alguns produtos mais escassos, como legumes e verduras, por exemplo. Há problemas com o falta de insumos para a área da saúde e o Hospital Ivan Goulart pede que as pessoas se informem antes de comparecer para algum procedimento.

 

A falta de combustíveis provocou a suspensão das aulas nas escolas estaduais neste início de semana e nas escolas municipais da zona rural de São Borja. Nas universidades também não há aula. As escolas particulares ministram aulas normais nesta segunda-feira. Na Prefeitura e na Câmara o expediente segue normal e uma comissão de crise se mantem atenta ao movimento.

 

Os postos de Saúde atendem normalmente, mas há restrições em viagens para pacientes. Ainda na cidade existem restrições no transporte coletivo com carros circulando apenas de duas em duas horas e na coleta de lixo urbano, que está sendo feito em menos um dia, do cronograma semanal. Há restrições igualmente nas linhas de ônibus interurbanos, segundo a Estação Rodoviária.

 

MANIFESTAÇÕES

Em todo o país seguiam as manifestações caminhões de combustíveis para serviços essenciais estão sendo escoltados pela Polícia. Na região de São Borja, tem manifestações de caminhoneiros e agropecuaristas na BR 285, saída para São Luiz Gonzaga. Na sexta-feira, dia 25, houve uma grande carreata pelas principais ruas da cidade que contou com apoio do comércio, indústria e agropecuaristas. Neste domingo, dia 27, centenas de pessoas se reuniram no Parcão para apoiar o movimento e um grupo chegou a ir até em frente ao 2º RC Mec, pedir também apoio aos militares.

 

O governo atendeu algumas reivindicações dos caminhoneiros como redução do preço do diesel em R$ 0,46 por litro, a não cobrança do eixo suspenso de caminhões e prometeu reajuste o combustível de 30 em 30 dias. No entanto, parte da categoria não acatou o acordo firmado na noite de domingo em Brasília e segue com manifestações em diferentes pontos do país. A intervenção das forças armadas, a pedido do presidente Michel Temer, tem se reservado a garantir atividades nas refinarias e transporte de combustíveis e produtos essenciais a serviços de emergência.

Por Edson Arce

Leilões de bens inservíveis rendem quase R$ 900 mil à Prefeitura

A Administração Municipal em São Borja considerou positivos os resultados dos dois leilões de bens inservíveis realizados pela Prefeitura, no último dia 30 de abril e na terça-feira, dia 22 de maio. O pregão mais recente teve arrecadação de R$ 496,55 mil. Considerando o valor de R$ 400 mil apurados no leilão inicial, o montante arrecadado chega a R$ 896,55 mil.

 

Segundo já informado pelo prefeito Eduardo Bonotto, o dinheiro arrecado nos dois leilões vai ser utilizado em obras de melhorias em instalações da Prefeitura. A prioridade será aprontar o prédio que corresponde ao Centro Administrativo, o edifício Salvador Liôncio Pereira Alvarez, de seis andares.

 

 O imóvel abriga, hoje, nos quatro primeiros andares as secretarias municipais de Administração, Fazenda, Planejamento, Meio Ambiente e Educação, além do Departamento de Informática. Serão feitos pintura geral e demais reparos necessários.

Fonte: Decom/Prefeitura

Por Edson Arce

GREVE DOS CAMINHONEIROS: São Borja para em apoio ao movimento contra aumento dos combustíveis

Também fragilizada pelos reflexos do movimento, São Borja parou na manhã desta sexta-feira, dia 25, em apoio ao movimento dos caminhoneiros contra o aumento dos combustíveis. O movimento ganhou apoio dos agropecuaristas, do comércio em geral, através das entidades classistas, da Prefeitura e Câmara. Um grande caminhonaço, que reuniu centenas de veículos, incluindo carros, motos e tratores tomou, conta das principais ruas da cidade ao longo da manhã. Na passagem do protesto, moradores foram para a frente de suas casas e o comércio fechou.

 

O prefeito em exercício, Roque Feltrin assinou na quinta-feira, dia 24, decreto de ponto facultativo e de Calamidade Pública no município em apoio e também em função dos reflexos do movimento. Acisb e Sindilojas publicaram notas de apoio e pedindo a adesão dos associados ao protesto visto a repercussão negativa do preço dos combustíveis nas mercadorias.

 

REFLEXOS DO MOVIMENTO

Falta de combustíveis em todos os postos da cidade; estoques de gás de cozinha devem terminar em 24 horas; falta de produtos congelados e refrigerados e hortigranjeiros em muitos mercados e supermercados; redução em 30% da frota do transporte coletivo urbano; suspensão de algumas linhas do transporte coletivo intermunicipal; possibilidade da falta de alguns produtos farmacêuticos utilizados no hospital; suspensão do transporte escolar e, por conseguinte, das aulas nas escolas municipais; vários eventos oficiais do final de semana foram cancelados.

 

Por Edson Arce

Transporte coletivo será reduzido em função da falta de combustível

A empresa de ônibus anuncia que precisará reorganizar os horários de funcionamento do serviço em função da falta de combustível para os veículos. Conforme esclarecimento da empresa, os itinerários foram reduzidos em 30%, medida que prolongará o serviço por mais alguns dias enquanto a situação não for restabelecida.

 

A linha da Ponte Internacional e Rincão da Cria não foi afetada. Já a linha com itinerário Santa Rosa a Itacherê está suspenso apenas o horário das 17h15min, os demais seguem normalmente.

 

Uma das linhas que sofrerá mais alterações é Cabeleira, Instituto Federal e Rodoviária, especificamente no sábado. O itinerário tem um ônibus a cada 25 minutos e a partir das 9 às 19 horas será um veículo a cada 50 minutos, tendo o fluxo normal das 6 às 9 e das 19 horas às 23h10min. No decorrer dos dias de semana estão suspensos seis horários que são 9h10min, 9h55min, 10h45min, 11h40min, 18h40min e 19h40min.

 

As linhas Arneldo Matter – Rodoviária e Passo – Rodoviária irão trabalham concomitantemente nos dias de semana, sábados e domingos, sendo suprimidos alguns horários nestas linhas de modo a não deixar desassistida à comunidade.

 

 Fonte: Decom/Prefeitura

Por: Stephanie Vieira

São Borja decreta calamidade pública

Nesta quinta-feira, dia 24 de maio, foi assinado pelo prefeito em exercício Roque Feltrin o decreto de situação de calamidade pública nº 17678, ato em solidariedade ao movimento dos caminhoneiros, considerando os aumentos sucessivos nos preços dos combustíveis no país. Em função do ato contido no decreto, cessam praticamente todas as atividades na Prefeitura Municipal, por tempo indeterminado.

 

O prefeito em exercício ressalta que cessam o expediente nas repartições municipais, incluindo as atividades na rede escolar. Permanecem, apenas, os atendimentos essenciais na área de Saúde como os serviços de limpeza pública tais como o recolhimento de lixo. Feltrin observa, porém, que também no setor de saúde haverá reflexos, pois pacientes deixarão de ser transportados para atendimentos fora do município, devido aos bloqueios nas rodovias e à falta de combustíveis.

 

Como consequência do decreto, está suspensa a assinatura de ordem de serviço para continuação da obra do novo Quartel de Bombeiros, a qual ocorreria nesta sexta-feira, dia 25. Também está suspenso o evento da Secretaria de Educação de lançamento do projeto Educação Empreendedora que ocorreria no sábado, dia 26. 

 

 

Fonte: Decom/Prefeitura

Por: Stephanie Vieira

Expediente

Andres Editora Jornalística Ltda.
Rua General Osório, 2341/Sala 1 - Centro São Borja,RS - 97670-000

Fones: (55)3431-1100 / 3431-2394
Email: [email protected]

assinatura