Termina hoje prazo para vacinação contra aftosa

A campanha de vacinação contra a febre aftosa no Rio Grande do Sul termina hoje, dia 31 de maio, conforme programação da Secretaria de Agricultura, Pecuária e Desenvolvimento Rural (Seapdr). A estimativa é de que 300 mil propriedades se envolvam. A meta é atingir cobertura vacinal superior a 90%.

Os produtores devem comprar as doses necessárias para a vacinação de seu rebanho em casas agropecuárias credenciadas pela Seapdr para a comercialização da vacina contra a febre aftosa.

Em seguida, deverão comprovar a vacinação através da apresentação da nota fiscal de compra e declaração do quantitativo de animais vacinados nas inspetorias ou escritórios de Defesa Agropecuária.

O prazo máximo para a comprovação da vacinação é até o dia 7 de junho. Quem não comprovar a vacinação será autuado e terá a propriedade interditada até a regularização dos procedimentos.

Além da vacinação deve ser feita a Declaração Anual de Rebanho, atividade obrigatória. O formulário deve ser retirado nas inspetorias ou escritórios de Defesa Agropecuária da Seapdr e entregue até o término do prazo para a comprovação da vacinação contra a febre aftosa.

Fonte: G1

Por: Victor Silva

Prazo para se inscrever no Programa Bolsa Juventude Rural termina hoje

Hoje é o último dia para estudantes se inscreverem no Programa Bolsa Juventude Rural, oferecido pela Secretaria da Agricultura, Pecuária e Desenvolvimento Rural (Seapdr), para concorrer à 375 bolsas de estudo. São 175 vagas para alunos regularmente matriculados no segundo ano e 200 para alunos do terceiro ano do ensino médio.

Os interessados em concorrer à bolsa deverão atender às seguintes condições: estar matriculado(a) no segundo ou no terceiro ano do ensino médio, em escolas públicas estaduais ou inscrito(a)/matriculado(a) em instituições educacionais sem fins lucrativos e de caráter comunitário; ter entre 15 e 29 anos; possuir Declaração de Aptidão ao Pronaf (DAP) ativa; e possuir baixa renda bruta familiar. As inscrições devem ser feitas pelo site www.bolsajuventuderural.com, mediante preenchimento dos formulários e envio de documentos solicitados no edital.

O programa tem como finalidade dar oportunidade e condições de acesso e permanência dos jovens no ensino médio e de implantação de projetos produtivos sustentáveis, estimulando a sucessão nas propriedades rurais familiares. O auxílio, de R$ 200 mensais, é pago por um período de 10 meses.

 

Fonte: SEAPDR

Por: Victor Silva

Colheita do arroz tem perda e o desemprego no campo aumenta

Segundo o Instituto Rio Grandense do Arroz (Irga), diminuiu cerca de um milhão de toneladas da colheita de arroz em relação à safra do ano passado. O motivo é a redução da área plantada, e menos empregados contratados por produtores. De acordo com a Federação dos Trabalhadores Assalariados Rurais do RS (Fetag) neste ano foram registradas 5 mil rescisões, um aumento de 30% desde 2017.

 

Diferente da colheita do ano passado que concluiu com 90%. Este ano as condições climáticas não foram favoráveis, especialmente no mês de janeiro. Entretanto, a consequência é a diminuição da área plantada em cerca de 9%, em parte substituída por soja. A mudança impacta no desemprego porque a lavoura de arroz precisa de um funcionário a cada 50 hectares de área plantada, enquanto a soja demanda uma pessoa a cada 300 hectares.

Fonte: Irga

Por: Bruna Falcão

Campanha contra a febre aftosa começou dia 1° no Estado

A campanha de vacinação contra febre aftosa no Rio Grande do Sul, começou nesta quarta-feira, dia 1°, e segue até 31 de maio. Nesta etapa, a vacinação é obrigatória para animais jovens de zero a 24 meses, bovinos e búfalos. Segundo a Secretaria da Agricultura, Pecuária e Desenvolvimento Rural (Seapdr), a expectativa é que sejam imunizados 12,5 milhões de bovinos e bubalinos. Sendo assim, a meta é atingir cobertura vacinal superior a 90%. Em 2018, em duas etapas, maio e novembro, houve cobertura de 97%.

 

Os produtores precisam comprar as doses para vacinação do rebanho em casa agropecuárias credenciadas pela Seapdr. Após, precisarão justificar a vacinação através da apresentação da nota fiscal de compra e a declaração da quantidade de animais vacinados, nas inspetorias ou escritórios de Defesa Agropecuária.

 

Este ano, a vacina contra a febre aftosa, sofreu algumas mudanças na sua formulação, em que houve redução na dosagem de aplicação de 5ml para 2ml. Contudo, a vacina passou a ser bivalente, permanecendo a proteção contra os vírus tipo A e O (removido o tipo C) e a comercialização dos frascos será de 15 a 50 doses.

 

É importante a vacina, pois a febre aftosa é uma doença viral, bastante contagiosa e de rápida disseminação. O vírus pode ser transmitido através da baba do animal, que contém grande quantidade do vírus. O sangue do animal também tem fica gravemente infectado, por ser um vírus de forte resistência. É importante destacar que a doença pode ser transmitida por contato indireto, ou seja, por meio de alimentos, água, ar e humanos que cuidam dos animais e que podem levar o vírus e infectar animais sadios.

 

Fique atento aos sintomas apresentados pelo animal, que são febre alta e perda do apetite, aftas na boca, na gengiva ou na língua, e principalmente feridas nos cascos ou nos úberes. Desta forma, o animal baba muito, contamina todo o ambiente e tem dificuldade para se alimentar e se locomover.

Fonte: Canal Rural

Por: Bruna Falcão

Primeira etapa da vacinação contra aftosa será em maio

A primeira etapa da campanha de vacinação contra a febre aftosa no Rio Grande do Sul será de 1º a 31 de maio, conforme programação da Secretária de Agricultura, Pecuária e Desenvolvimento Rural (Seapdr). Deverão ser imunizados todos os bovinos e búfalos, totalizando cerca de 12,5 milhões de animais.

A estimativa é de que 300 mil propriedades estarão envolvidas no processo, cuja meta é atingir cobertura vacinal superior a 90%. Em 2018, em duas etapas (maio e novembro), houve 97% de cobertura.

Conforme o Departamento de Defesa Agropecuária da Seapdr, este ano a vacina contra a febre aftosa teve alteração na formulação, com redução na dosagem de aplicação de 5ml para 2ml.

A vacina passou a ser bivalente, permanecendo a proteção contra os vírus tipo A e O (removido tipo C). As opções comercializadas agora serão de 15 e 50 doses. A composição do produto também foi modificada com a finalidade de diminuir as reações vacinais (nódulos).

Fonte: Ascom Seapdr

12ª Colheita de Soja abre oficialmente no RS

O Rio Grande do Sul abriu oficialmente a colheita de soja, no dia 30 de março, em Tupanciretã, conhecido como Capital Gaúcha da Soja por ser o maior fabricante de grão do estado. A 12ª Abertura Oficial da Colheita de Soja no RS, contou com a presença do governador do Estado, Eduardo Leite, além de produtores e outras autoridades.

 

Tupanciretã com área de 200 hectares e com lavoura experimental da prefeitura é o segundo maior produtor de soja do país, perdendo apenas para o estado de Mato Grosso do Sul. Esta que no ano passado foi prejudica pelas chuvas intensas de setembro e outubro, no qual afetou o desenvolvimento de algumas lavouras, tem expectativa do aumento da produção de 9%, com 18,7 milhões de toneladas de grão.

 

Para a safra 2018/2019, o produtor tem usado de todos os meios para ampliar o uso da tecnologia, assim podendo diminuir custos, aumentar a produção, e consequentemente melhorar a rentabilidade. Foi esse o rumo que a produtividade de soja saltou de 2.823 kg/ha na safra de 2006/2007 para 3.394 kg/ha na safra de 2017/2018, totalizando um aumento de 20%, em apenas 10 anos. Se a colheita for de acordo com o que se espera, o Estado terá a segunda maior safra da história. 

 Fonte: Secom/RS

Por: Bruna Falcão

Expediente

Andres Editora Jornalística Ltda.
Rua General Osório, 2341/Sala 1 - Centro São Borja,RS - 97670-000

Fones: (55)3431-1100 / 3431-2394
Email: [email protected]

assinatura