• Guia

Senar vai ministrar oficinas gratuitas na Fenaoeste

A Fenaoeste acontece de 9 a 15 de outubro, no Parque de Exposições Serafim Dornelles Vargas, além das muitas atrações, os visitantes vão contar com as oficinas gratuitas oferecidas pelo Serviço Nacional de Aprendizagem Rural (SENAR).

No ano passado, durante a Fenaoeste, foram disponibilizadas seis oficinas. Este ano foram solicitados cursos para cadastro ambiental rural (CAR); soldador rural; tortas e doces caseiros; artesanato; adestramento de cães para pastoreio em rebanho ovino; jardinagem; e tosquia de ovinos.  As datas e os horários serão divulgados posteriormente. 

Prazo para habilitação de produtores de sementes do Irga termina dia 1° de agosto

O prazo para inscrição do cadastro de produtores multiplicadores de sementes de cultivares do Instituto Rio-Grandense do Arroz (Irga) encerra nesta terça-feira, dia 1º de agosto, às 17 horas.

O aviso de Habilitação, com as regras e os anexos para efetivar o cadastramento, pode ser consultado no site do instituto.

Os habilitados poderão comercializar e multiplicar sementes certificadas das cultivares IRGA 424, IRGA 424 RI, IRGA 426, IRGA 428, IRGA 429 e IRGA 430, todas de titularidade do Irga perante o Registro Nacional de Cultivares do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), e ainda das cultivares de domínio público BR/IRGA 409 e IRGA 417.

Poderão se cadastrar pessoas físicas ou jurídicas, estabelecidas no Rio Grande do Sul, devidamente inscritas no Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, e com Renasem (Registro Nacional de Sementes e Mudas) de produtor de arroz em vigor e sem penalidades junto ao Mapa.

 

 

Seminário da Agricultura Familiar discute a criação de Agroindústrias como alternativa de renda

A abertura do 7° Seminário da Agricultura familiar ocorreu na quinta-feira, dia 27, no PTG João Manoel e reuniu muitos produtores, entidades e autoridades. O evento propôs a discussão de temas como agroindústria familiar, energia solar, segurança do trabalho e produção e abastecimento do mercado local. A realização do Seminário foi uma parceria da Prefeitura, Emater e Sindicato dos Trabalhadores Rurais, tendo o apoio do 2º RC MEC.

O gerente regional Eloi Pozzer, representante da Emater, fez questão de frisar que a parceria entre as instituições é fundamental para o desenvolvimento da Agricultura Familiar. Destacou que o Seminário tem a proposta de discutir alternativas para aumento de renda, fomentar novas estratégias para região como criação de agroindústrias e utilização de outras fontes de energia.

Atualmente, a Secretaria de Agricultura e Emater realizam um trabalho conjunto visando à criação e ampliação do número de Agroindústrias em São Borja.

7° Seminário da Agricultura Familiar será nesta quinta-feira

Acontece nesta quinta-feira, dia 27 de julho, na sede do PTG João Manoel, o 7° Seminário da Agricultura Familiar a partir das 8h30min com recepção e inscrições dos participantes.

Uma organização feita pela prefeitura de São Borja, através da Secretaria Municipal de Agricultura e Meio Ambiente, Emater, Sindicato dos Trabalhadores Rurais e governo do Estado, com apoio do 2º Regimento de Cavalaria Mecanizado (2º RC Mec).

Na programação do seminário terá palestras, mostra de produtos da agricultura familiar e de artesanato e almoço. O objetivo principal do encontro, segundo seus organizadores, é debater assuntos relacionados aos pequenos agricultores do município e auxiliá-los no que diz respeito à agregação de valores a seus produtos.

Banrisul anuncia recursos para o Plano Agrícola da Safra 2017/2018

O Banrisul anunciou os recursos disponibilizados  para o Plano Agrícola da Safra 2017/2018 aos produtores rurais do Rio Grande do Sul. A agência bancária vai iniciar o recebimento de propostas de financiamento na próxima segunda-feira, dia 3 de julho.

O total do recurso é de R$ 2,2 bilhões, que serão destinados diretamente em operações de crédito rural.  Desse valor, R$ 1,1 bilhão referem-se a custeio, R$ 600 milhões para comercialização e R$ 500 milhões para investimento.

 

Estão previstos financiamentos para agricultores familiares (Pronaf), médios produtores rurais (Pronamp) e agricultores empresariais, além de cooperativas de produção agropecuária, agroindústrias, beneficiadores, cerealistas e demais empresas do setor.

Os itens financiáveis abrangem o Plano Agrícola da Safra 2017/2018 arroz e feijão, hortifrutigranjeiros, custeio pecuário, linhas para comercialização e investimentos (aquisição de animais, Programa ABC, Inovagro, Pronaf Mais Alimentos, Procap-Agro) e demais linhas para o segmento.

Para mais informações o produtor rural deve procurar a rede de agências do Banrisul, a partir da próxima semana.

Por Bárbara Moraes

Fonte: Ascom/Banrisul

 

Derivados de proteína animal recebem novas normas de comercialização

Mercados e açougues terão um ano para se adequarem às novas normas de comercialização de fatiados e derivados de proteína animal. A Portaria 321/2017 da Secretaria da Saúde, que estabelece o prazo aos varejistas, foi assinada pelo secretário João Gabbardo nesta segunda-feira, 26 de junho, no Palácio Piratini.

 

Confira as principais mudanças

- O alvará sanitário deve informar se o estabelecimento é tipo AI –  aquele que faz cortes de carnes, fatiamento e embalagem de produtos antecipadamente, para expô-los já prontos à venda (geralmente supermercados) –, ou AII, que só faz fracionamento de produtos na presença do consumidor.

- O artigo 5º prevê que “as instalações de manipulação do açougue tipo AI e fiambreria tipo AI deverão ser climatizadas, com temperatura ambiente máxima de 16 graus. Durante a manipulação de carne de aves, a temperatura ambiente máxima deve ser de 12 graus. Para a área de produção de carne moída, a temperatura ambiente não deve ultrapassar os 10 graus”.

- É proibido descongelar produtos para vendê-los como resfriados. São proibidos também a produção e o fracionamento de carnes temperadas ou qualquer outra atividade industrial, como, por exemplo, produção  de carnes salgadas, de embutidos e carnes empanadas.

- O artigo 11 determina que o produto embalado na ausência do consumidor deve possuir, no mínimo, as seguintes informações no rótulo: nomenclatura técnica do produto, dados do estabelecimento de origem (fornecedor, número do serviço de inspeção, razão social e CNPJ da indústria de origem,  dados do embalador (razão social e CNPJ), lote, data da manipulação e um prazo de validade, estabelecido pelo responsável técnico, que respeite as características de perecibilidade, conservação e segurança do alimento.

- A carne moída elaborada em açougue tipo AI deve ser obtida em local específico com temperatura não superior a 10ºC, sendo embalada imediatamente após a moagem, devendo cada pacote do produto ter o peso máximo de um quilo.

- A carne moída elaborada no açougue tipo AII deve ser moída apenas na presença do consumidor, e resíduos que permanecerem no equipamento moedor deverão ser desprezados.

 

Por Bárbara Moraes

Fonte: Secom

Expediente

Andres Editora Jornalística Ltda.
Rua General Osório, 2341/Sala 1 - Centro São Borja,RS - 97670-000

Fones: (55)3431-1100 / 3431-2394
Email: [email protected]

assinatura