Colheita do arroz tem perda e o desemprego no campo aumenta

Segundo o Instituto Rio Grandense do Arroz (Irga), diminuiu cerca de um milhão de toneladas da colheita de arroz em relação à safra do ano passado. O motivo é a redução da área plantada, e menos empregados contratados por produtores. De acordo com a Federação dos Trabalhadores Assalariados Rurais do RS (Fetag) neste ano foram registradas 5 mil rescisões, um aumento de 30% desde 2017.

 

Diferente da colheita do ano passado que concluiu com 90%. Este ano as condições climáticas não foram favoráveis, especialmente no mês de janeiro. Entretanto, a consequência é a diminuição da área plantada em cerca de 9%, em parte substituída por soja. A mudança impacta no desemprego porque a lavoura de arroz precisa de um funcionário a cada 50 hectares de área plantada, enquanto a soja demanda uma pessoa a cada 300 hectares.

Fonte: Irga

Por: Bruna Falcão

Campanha contra a febre aftosa começou dia 1° no Estado

A campanha de vacinação contra febre aftosa no Rio Grande do Sul, começou nesta quarta-feira, dia 1°, e segue até 31 de maio. Nesta etapa, a vacinação é obrigatória para animais jovens de zero a 24 meses, bovinos e búfalos. Segundo a Secretaria da Agricultura, Pecuária e Desenvolvimento Rural (Seapdr), a expectativa é que sejam imunizados 12,5 milhões de bovinos e bubalinos. Sendo assim, a meta é atingir cobertura vacinal superior a 90%. Em 2018, em duas etapas, maio e novembro, houve cobertura de 97%.

 

Os produtores precisam comprar as doses para vacinação do rebanho em casa agropecuárias credenciadas pela Seapdr. Após, precisarão justificar a vacinação através da apresentação da nota fiscal de compra e a declaração da quantidade de animais vacinados, nas inspetorias ou escritórios de Defesa Agropecuária.

 

Este ano, a vacina contra a febre aftosa, sofreu algumas mudanças na sua formulação, em que houve redução na dosagem de aplicação de 5ml para 2ml. Contudo, a vacina passou a ser bivalente, permanecendo a proteção contra os vírus tipo A e O (removido o tipo C) e a comercialização dos frascos será de 15 a 50 doses.

 

É importante a vacina, pois a febre aftosa é uma doença viral, bastante contagiosa e de rápida disseminação. O vírus pode ser transmitido através da baba do animal, que contém grande quantidade do vírus. O sangue do animal também tem fica gravemente infectado, por ser um vírus de forte resistência. É importante destacar que a doença pode ser transmitida por contato indireto, ou seja, por meio de alimentos, água, ar e humanos que cuidam dos animais e que podem levar o vírus e infectar animais sadios.

 

Fique atento aos sintomas apresentados pelo animal, que são febre alta e perda do apetite, aftas na boca, na gengiva ou na língua, e principalmente feridas nos cascos ou nos úberes. Desta forma, o animal baba muito, contamina todo o ambiente e tem dificuldade para se alimentar e se locomover.

Fonte: Canal Rural

Por: Bruna Falcão

Primeira etapa da vacinação contra aftosa será em maio

A primeira etapa da campanha de vacinação contra a febre aftosa no Rio Grande do Sul será de 1º a 31 de maio, conforme programação da Secretária de Agricultura, Pecuária e Desenvolvimento Rural (Seapdr). Deverão ser imunizados todos os bovinos e búfalos, totalizando cerca de 12,5 milhões de animais.

A estimativa é de que 300 mil propriedades estarão envolvidas no processo, cuja meta é atingir cobertura vacinal superior a 90%. Em 2018, em duas etapas (maio e novembro), houve 97% de cobertura.

Conforme o Departamento de Defesa Agropecuária da Seapdr, este ano a vacina contra a febre aftosa teve alteração na formulação, com redução na dosagem de aplicação de 5ml para 2ml.

A vacina passou a ser bivalente, permanecendo a proteção contra os vírus tipo A e O (removido tipo C). As opções comercializadas agora serão de 15 e 50 doses. A composição do produto também foi modificada com a finalidade de diminuir as reações vacinais (nódulos).

Fonte: Ascom Seapdr

12ª Colheita de Soja abre oficialmente no RS

O Rio Grande do Sul abriu oficialmente a colheita de soja, no dia 30 de março, em Tupanciretã, conhecido como Capital Gaúcha da Soja por ser o maior fabricante de grão do estado. A 12ª Abertura Oficial da Colheita de Soja no RS, contou com a presença do governador do Estado, Eduardo Leite, além de produtores e outras autoridades.

 

Tupanciretã com área de 200 hectares e com lavoura experimental da prefeitura é o segundo maior produtor de soja do país, perdendo apenas para o estado de Mato Grosso do Sul. Esta que no ano passado foi prejudica pelas chuvas intensas de setembro e outubro, no qual afetou o desenvolvimento de algumas lavouras, tem expectativa do aumento da produção de 9%, com 18,7 milhões de toneladas de grão.

 

Para a safra 2018/2019, o produtor tem usado de todos os meios para ampliar o uso da tecnologia, assim podendo diminuir custos, aumentar a produção, e consequentemente melhorar a rentabilidade. Foi esse o rumo que a produtividade de soja saltou de 2.823 kg/ha na safra de 2006/2007 para 3.394 kg/ha na safra de 2017/2018, totalizando um aumento de 20%, em apenas 10 anos. Se a colheita for de acordo com o que se espera, o Estado terá a segunda maior safra da história. 

 Fonte: Secom/RS

Por: Bruna Falcão

Censo do ICMS encerra nesta sexta-feira

O Setor de ICMS, ligado à Secretaria Municipal da Fazenda, alerta para a finalização do prazo do Censo do ICMS, edição de 2019, que termina nesta sexta-feira, dia 15 de março, e não haverá prorrogação. Até essa data devem ser apresentados, em caráter obrigatório, todos os Talões de Produtor, com ou sem movimento no ano passado.

A unidade de ICMS funciona das 7h15min às 13 horas, na rua Eurico Batista da Silva, ao lado Centro Administrativo Salvador Alvarez.

São aproximadamente 2,9 mil produtores atualmente cadastrados no sistema. Depois de dois anos consecutivos caso não houver a conferência de informações, os talões são suspensos, considerando que, pelos critérios da Secretaria Estadual da Fazenda, o produtor passa a ser considerado inativo.

Em casos de cancelamento e, em outros, de renovação de cadastro. A orientação é que, na hipótese de dúvidas, informações podem ser solicitadas por telefone, pelo número 3431-4033.

Fonte: Decom/Prefeitura de São Borja

Segunda etapa de vacinação contra febre aftosa começa amanhã

Começa nesta quinta-feira, dia 1º de novembro, a segunda etapa de vacinação contra a febre aftosa no Rio Grande do Sul e se estende até dia 30.

Deverão ser imunizados bovinos e bubalinos de zero a 24 meses de idade, que no Estado somam aproximadamente cinco milhões de animais. A meta da Secretaria da Agricultura, Pecuária e Irrigação é chegar a uma cobertura vacinal superior a 90%. A primeira etapa, em maio, teve cobertura vacinal de 98,9% do rebanho.

Os produtores devem adquirir as doses necessárias para a vacinação do rebanho em casas agropecuárias credenciadas pela Seapi para a comercialização da vacina contra a febre aftosa.

Após a aplicação da vacina, todos os produtores deverão comprovar a vacinação por meio da apresentação da nota fiscal de compra e declaração da quantidade de animais vacinados, por categoria, nas Inspetorias de Defesa Agropecuária da Secretaria. O prazo máximo para a comprovação da vacinação é de cinco dias úteis após o término da etapa.

Fonte: Seapi

Expediente

Andres Editora Jornalística Ltda.
Rua General Osório, 2341/Sala 1 - Centro São Borja,RS - 97670-000

Fones: (55)3431-1100 / 3431-2394
Email: [email protected]

assinatura