Músicos, bares e restaurantes enfrentam dificuldades com restrições ao comércio

Sem dúvidas, a realidade imposta pela pandemia do novo coronavírus alterou os hábitos de toda a sociedade. Em muitas cidades, o fechamento total ou parcial do comércio afetou diretamente pequenos e médios comerciantes, com demissão de funcionários, alteração do horário de funcionamento e, em alguns casos, o encerramento das atividades. No comércio do ramo de bebidas, alimentos e com música ao vivo como bares e restaurantes, as adaptações tiveram de ser necessárias para continuar trabalhando. Em São Borja, com a mudança da bandeira para vermelha, na região que abrange o município no distanciamento social do Estado, bares e pubs não podem abrir para o público até a próxima análise.

Na bandeira vermelha, restaurantes e lancherias só podem funcionar para tele-entrega, retirada no local ou drive-thru, e o encerramento não deve ultrapassar as 23h, podendo acarretar em suspensão do alvará por 15 dias e multa para quem não cumprir o decreto. Devido às restrições dos locais que oferecem música ao vivo, a situação de artistas que mantém a música como renda principal, também ficou difícil, sem uma perspectiva positiva tão cedo. Um dos problemas enfrentados pelos locais com música ao vivo e principalmente pelos músicos, foi a redução de público, medida necessária para evitar aglomerações e propagação do vírus, pois o pagamento do cachê dos músicos geralmente é pela quantidade de “couverts” ou ingressos da noite.  

Dessa forma, estabelecimentos que trabalhavam com apresentações musicais tiveram de suspender um de seus principais atrativos do público. Alguns músicos da cidade e um estabelecimento que costumava lotar com apresentações ao vivo relataram a situação, dificuldades financeiras e adaptações à realidade atual. 

A reportagem completa você confere na edição impressa de sábado, dia 04/07/2020.

Por Tchaylen de Souza

Protesto contra o governo mobiliza segurança pública

Dezenas de integrantes da Brigada Militar, Corpo de Bombeiros e Susepe e seus familiares se mobilizaram na manhã desta segunda-feira, dia 16, a partir de concentração no Parcão. Após seguiu-se carreta pelo centro da cidade indo até a Brigada Militar onde foi montado acampamento.

 

O protesto é contra o pacote de reforma administrativa do governo do Estado que está na Assembleia e que retira benefícios de servidores da segurança pública.

Matéria completa na edição de quarta-feira, dia 18, na Folha de São Borja.

Anvisa libera a venda de remédios à base de maconha

Nesta terça-feira, dia 3, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), aprovou por unanimidade a regulamentação e o registro da venda de medicamentos à base de cannabis em farmácias do Brasil. A medida deve começar a vigorar no comércio daqui a 90 dias e o medicamento poderá ser comprado através de receita médica. Segundo a Anvisa, a medida deve melhorar a vida de diversos pacientes.

 

Hoje há cerca de 14 mil pedidos em andamento para importação do medicamento. Neste ano, a agência já recebeu cerca de 5.321 pedidos de compra de compras do medicamento com cannabidiol. Atualmente, no Brasil, existe apenas um produto registrado. O único remédio, chamado 01 Mavatyl, custa em torno de R$ 2.800.

 

A maconha contém dois tipos de substância, o Tetrahidrocanabinol (THC) e o Canabidiol (CBD). O THC é a substância responsável pelos efeitos psicoativos e neurotóxicos. Já a CBD possui propriedades terapêuticas que fazem bem para o organismo. O CBD é utilizado nos medicamentos. De acordo com a Anvisa, em remédios com concentrações de THC menores de 0,2%, o medicamento deverá ser prescrito com numeração fornecida pela vigilância sanitária e exige renovação da receita em até 60 dias. Acima do percentual, o receituário seria do tipo A, semelhante ao da morfina.

 

As empresas que quiserem produzir a medicação devem tenha autorização de funcionamento específicas. Além disso, a mesma deve possuir certificado de boas práticas de fabricação, que deve ser emitido pela própria Anvisa.

 

 Fonte: Uol/Correio do Povo e SPDM

Por: Erika Dal’Carobo

Polícia ambiental fiscaliza pesca durante a piracema no Rio Uruguai

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Entre os dias 25 e 28 de novembro, a Patrulha Ambiental Rural (PATRAM) realizou uma ação de fiscalização da pesca ilegal durante a piracema no Rio Uruguai. Na ocasião, foram apreendidos cerca de 2.000 metros de redes de pesca, 500 metros de espinhéis, um motor de popa e outros utensílios de pesca. Além disso, foram encontrados cinco peixes da espécie dourado e um da espécie surubim. No total foram 37kg de pescado apreendido.

 

A piracema ocorre entre os meses de outubro e março e é de extrema importância para a reprodução dos peixes, visto que estes precisam nadar contra a correnteza até a cabeceira dos rios, onde se reproduzem. Alguns dos peixes podem percorrer até 600 km para realizar a procriação.

 

A pesca durante esse período é crime. A ação realizada vasculhou por volta de 150km do Rio Uruguai. Os peixes apreendidos, que estavam aptos para consumo, foram doados pela Polícia Ambiental para uma escola de Garruchos.

 

 

Fonte: Grupo Fronteira Missões/Superinteressante

Por: Erika Dal’Carobo

Festival Art Food Truck já está em São Borja

O Festival Gastronômico Art Food Truck, que começou na quinta-feira, dia 21, vai até o dia 24 de novembro, domingo, no Parque General Vargas (Parcão). Nesta sexta-feira vai das 18h às 00h e no sábado e domingo vai das 14h até às 00h. O evento traz novamente à cidade de São Borja diversos veículos que funcionam como restaurantes e que oferecem diversos tipos de comida.

 

O festival é organizado pela Chord Eventos com apoio da Prefeitura Municipal de São Borja. O evento já passou por diversas cidades do Rio Grande do Sul, como Uruguaina, Espumoso e Carazinho. Além da comida, o evento ainda conta com outras atrações para as crianças, como cinema 6D, Maria Fumaça e brinquedos infláveis.

 

Para mais informações é só acessar a página do Festival no Facebook https://www.facebook.com/artfoodoficial/.

Fonte: Divulgação

Por: Erika Dal’Carobo

Cinesolar chega em São Borja no dia 29 de novembro

O Cinesolar é um projeto sustentável e o primeiro cinema itinerante que utiliza energia solar, de forma limpa e renovável, em suas exibições. Em São Borja, a exibição será feita no dia 29 de novembro, a partir das 19h15min, no Parque General Vargas (Parcão) e contará com o filme “Turma da Mônica – Laços”.

 

O furgão que comporta a estrutura é composto por diversas placas solares que são as responsáveis pela produção da energia que possibilita as projeções dos filmes, dando à estrutura cerca de 20 horas de autonomia energética. Sendo assim, o projeto consegue exibir filmes nas regiões mais remotas do país, como locais que não possuem energia elétrica. O projeto, que funciona desde 2013, tem como um de seus objetivos exibir filmes nacionais e democratizar o acesso ao cinema para todos. Seu lema é “arte, sustentabilidade e cinema”.

 

Para mais informações é só acessar o site da equipe: www.cinesolar.com.br.

 

De acordo com a organização, em caso de chuva, o evento será realocado para o Centro Espírita Ferreira de Moraes.

Fonte: Prefeitura/Organização do Cinesolar

Por: Erika Dal'Carobo

Expediente

Andres Editora Jornalística Ltda.
Rua Riachuelo, 928 - Centro São Borja,RS - 97670-000
Fones: (55)3431-1100 / 3431-2394
Email: folhadesaoborja@gmail.com

assinatura