Beto Albuquerque (PSB) confirma pré-candidatura ao governo estadual

O ex-deputado federal Beto Albuquerque confirmou, na noite da última segunda-feira (30), através das redes sociais, que pretende concorrer ao cargo de governador do Rio Grande do Sul nas eleições de 2022. A pré-candidatura do passo-fundense será lançada pelo Partido Socialista Brasileiro (PSB) neste sábado (4), às 10h30min, no auditório Dante Barone, na Assembleia Legislativa.

As tratativas para definição do nome de Beto vinham sendo costuradas pelo partido, ao qual é filiado há 35 anos, desde abril deste ano. O pré-candidato revela que aceitou o desafio após receber um apelo da direção nacional do PSB. “Eles pediram que eu disputasse essa eleição diante de todo o quadro político complexo que estamos vivendo. Eu avaliei muito antes, mas pela experiência que já tenho, me sinto preparado para fazer essa disputa”, relatou em entrevista à reportagem de O Nacional, referindo-se à extensa trajetória política que carrega.

Formado em Direito pela Universidade de Passo Fundo (UPF), Beto Albuquerque atuou como deputado estadual durante duas legislaturas e como deputado federal por quatro mandatos consecutivos. Em 2010, chegou a lançar-se como pré-candidato ao Governo do Rio Grande do Sul, mas acabou desistindo da candidatura cinco meses antes do pleito. Já nas eleições de 2014, concorreu à vice-presidência na chapa de Marina Silva e, em 2018, ao cargo de senador, quando fez 1,7 milhões de votos. “É essa experiência que me dá, de certa forma, uma consciência tranquila em poder disputar a eleição do próximo ano com um bom debate e uma política de diálogo, com respeito às diferenças”, garante.

De acordo com Beto, a decisão em lançar a pré-candidatura com antecedência — mais de um ano antes das eleições, marcadas para outubro de 2022 — é motivada pelo desejo de tornar-se uma figura conhecida no Estado. “Quero oportunizar aos gaúchos e gaúchas que conheçam minha história, minhas ideias, minhas convicções e o meu desejo de sermos um Estado conhecido pelo que somos hoje e não pelo que fomos no passado. Para que não haja na eleição do Estado o que, muitas vezes, se repete em outras disputas, quando a população não presta atenção ao candidato que elege e acaba se arrependendo do voto”.

Pré-candidato considera ser cedo demais para anunciar possíveis coligações

Embora a direção nacional do PSB venha sinalizando uma possibilidade de aproximação com o Partido dos Trabalhadores (PT), Beto Albuquerque afirma ser cedo demais para pensar em coligações para a disputa estadual. “O cenário político para o ano que vem ainda está bastante aberto, ainda não temos muitas candidaturas definidas. A minha prioridade agora é me tornar conhecido para os que ainda não me conhecem e propugnar minhas ideias e reflexões em relação ao futuro do Rio Grande do Sul. Mas a partir do momento que começarmos a dialogar e nos encontrarmos com outros partidos, essas alianças vão se formando”, adianta.

O ex-deputado ressalta ainda a importância da decisão dos partidos a nível nacional, que devem começar a ser moldadas no próximo ano, para que as realidades estaduais também possam ser definidas. “O que eu posso adiantar é que, no meu palanque, eu quero um candidato a presidente que respeite e acredite na democracia e nas nossas instituições e, claro, que me apoie. São duas regras básicas para mim”, crava.

Fonte: Claudia Dalmuth (O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo.)

Coluna 'Gente e Política' por Humberto Andres - 12/12/20

Por Humberto Andres – Edição de 12/12/2020

PONTE DO GUAÍBA

Lá em 2014, quando a Dilma era candidata à reeleição, a Sultepa propôs a renovação do contrato de manutenção da Freeway em troca da construção da nova ponte do Guaíba, prometendo entregar a obra de mão beijada até o final de 2016. O governo federal, atendendo a pedido do ex-governador Tarso Genro, não aceitou o negócio. No fim das contas, o contrato com a Sultepa foi renovado, a ponte foi licitada, custou milhões de reais e está sendo entregue somente agora, em 2020, por Bolsonaro, que esteve presente na inauguração.

O senador são-borjense Luis Carlos Heinze participou da cerimônia de inauguração da obra, que, graças a projeto de lei de sua autoria, deverá receber o nome do folclorista, historiador e tradicionalista Paixão Cortes, que morreu em 2018 aos 91 anos.

Foto: Facebook / Divulgação

Luis Carlos Heinze e Jair Bolsonaro

 

DAVID COIMBRA NA MIRA DO MP

A Promotoria de Justiça de Defesa do Patrimônio Público de Porto Alegre ajuizou essa semana Ação Civil Pública por danos morais e coletivos contra a Rádio Gaúcha e o jornalista David Coimbra e pede pagamento de indenização no valor de R$ 200 mil, a ser revertido para o Fundo de Reparação dos Bens Lesados do Rio Grande do Sul ou para entidade do campo da segurança pública. Segundo o promotor de Justiça Voltaire de Freitas Michel, ao comentar o assalto ocorrido em Criciúma, David Coimbra teve a intenção de “enaltecer a prática criminosa supostamente sem agressão aos cidadãos e desmerecer a ação dos policiais militares que intervieram para impedir maiores danos à pessoa e ao patrimônio”.

Em que pese a grande infelicidade do comentário, há um pouco de exagero nisso aí. Não podemos esquecer a liberdade de expressão.

 

COMÉRCIO

O comércio na Inglaterra vai funcionar por 24 horas até o final de janeiro de 2021. A medida tem o objetivo de evitar as aglomerações durante as compras de Natal após a volta do funcionamento das lojas com o fim do lockdown inglês, que ocorreu na semana passada. Algumas cidades brasileiras já estudam fazer a mesma coisa. A intenção é ‘achatar a curva’ de clientes durante o dia. Mesmo raciocínio usado no início da pandemia.

Por aqui, decreto do governador Eduardo Leite transita pela via inversa e restringe o horário de funcionamento de alguns tipos de atividades econômicas.

Vai entender...

APROVAÇÃO EMERGENCIAL

A Anvisa aprovou, na quinta-feira, o uso emergencial de vacinas contra a covid-19. Por enquanto, nenhuma empresa pediu oficialmente à agência autorização para uso emergencial, mas, assim que for feito o pedido, a vacina já estará apta para ser distribuída. Mesmo com a aprovação emergencial, as empresas responsáveis pelas vacinas devem continuar todo o processo para o registro oficial.

O Ministério da Saúde, que deverá centralizar a coordenação da campanha de vacinação no país, garantiu que a vacina será gratuita e será disponibilizada para todos os brasileiros que quiserem se imunizar.

 

VACINAS

O governo brasileiro estuda a compra de vacinas de três laboratórios diferentes e nenhuma delas foi aprovada nem solicitou autorização para uso emergencial até o momento – a americana Pfizer/BioNTech, que está sendo usada na Inglaterra e precisa ser mantida a -70C°, o que dificulta a logística; a AstraZeneca, de Oxford, e que já tem acordo firmado com o governo; e a Coronavac, produzida em parceria com o Butantan.

 

LOGÍSTICA

O governo federal anunciou uma parceria com a Azul Linhas Aéreas para distribuição da vacina contra a Covid-19 em todo o país. Com o acordo entre as partes, o governo federal espera garantir celeridade e segurança ao processo logístico de imunização da população. A Azul informou que colocará à disposição do governo toda sua capacidade de distribuição. A companhia já trabalha em conjunto com o Executivo em outras ações, como a interiorização de imigrantes venezuelanos que chegam ao Brasil por Roraima.

 

PRIORIDADE

Logo após o anúncio de que trabalhadores da área de saúde, idosos e indígenas terão prioridade na primeira fase da vacinação, representantes de diversas categorias profissionais já começaram a pedir para ‘furar a fila’. Evidente que algumas categorias realmente merecem prioridade, como é o caso, justamente, da saúde, cujos profissionais fazem parte da linha de frente de combate a doença. No mais, todo trabalhador, de alguma forma, tem risco de contágio. O negócio é aguardar a sua vez.

Governo desiste de medidas anunciadas para IPVA

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Nesta terça-feira, dia 5, o Governo do Estado do Rio Grande do Sul anunciou que as medidas para o Imposto sobre Propriedade de Veículos Automotores (IPVA), divulgadas nessa segunda-feira, dia 4, não são mais válidas. A medida cancelava o parcelamento do IPVA para 2020.

 

O Líder do Governo na Assembleia Legislativa, deputado Frederico Antunes, afirma que após a repercussão negativa do anúncio, o Executivo deve anunciar a revisão da aplicação, que deve voltar a ser parcelado como era antes.

 

A reunião continua hoje no Palácio Piratini. O Governador Eduardo Leite irá fazer o anúncio da desistência das medidas ao fim do encontro. Apesar de voltar a ser parcelado, datas para o pagamento do IPVA ainda não foram divulgadas.

Fonte: Correio do Povo

Por: Erika Dal’Carobo

Senador Collor é investigado em operação contra lavagem de dinheiro

Na manhã desta sexta-feira, dia 11, a Polícia Federal iniciou uma operação para investigar se o senador Fernando Collor teria participado de leilões públicos para esconder recursos de origem suspeita. De acordo com a investigação, as práticas envolveriam um valor referente a R$ 6 milhões, obtidos de forma ilícita desde 2010.

 

A ação, batizada de Arremate, foi autorizada pelo ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Edson Fachin, tendo como objetivo combater práticas de lavagem de dinheiro relacionadas a leilões de imóveis nas cidades de Maceió (AL) e Curitiba (PR).

 

O senador e ex-presidente, em sua rede social, afirma não ter nenhum tipo de envolvimento com tais práticas. Ele também diz estar “indignado” com tal situação.

Fonte: G1/Revista Fórum

Por: Erika Dal’Carobo

Bolsonaro sanciona lei de que limita gastos de vereadores e prefeitos em campanhas

Nesta semana, o presidente Jair Bolsonaro sancionou um projeto de lei limita os gastos de vereadores e prefeitos em suas campanhas eleitorais. O gasto deve ser equivalente ao das eleições de 2016, prevendo, sempre, os índices de inflação.

Em 2016 o cálculo desse limite era feito a partir do número de eleitores de cada município. Para os campanha para prefeito, chegava a R$ 45 milhões e para vereadores até R$ 26 milhões. São Paulo foi a cidade com o maior valor limite de campanha para prefeito, chegando a R$ 45 milhões.

Além disso, a medida contempla também o gasto com recursos próprios dos candidatos, que não poderá passar 10% do limite total dos recursos previstos para o seu cargo.

A medida começa a vigorar a partir de 2020 e foi votada em sua data limite, já que para a medida vigorar no próximo ano, tem de ser votada um ano antes do primeiro turno da próxima eleição.

Fonte: G1/Uol

Por: Erika Dal Carobo

Governo estuda congelar salário mínimo

O Ministério da Economia estuda uma forma de autorizar o congelamento do salário mínimo em momentos de aperto fiscal. De acordo com o jornal Folha de São Paulo, o plano é retirar da Constituição a determinação de que o valor seja corrigido pela variação da inflação.

 

Segundo a Folha, a medida seria incluída na PEC (Proposta de Emenda à Constituição) que altera regras fiscais e está tramitando no Congresso.

 

O texto está na CCJ (Comissão de Constituição e Justiça) da Câmara e é debatido por parlamentares, representantes do ministério da Economia e técnicos de Orçamento do Congresso. O autor é o deputado Pedro Paulo (DEM-RJ).

 

O projeto traria dispositivos que seriam acionados em situações de risco de descumprimento das regras fiscais. A versão original não prevê o congelamento do salário mínimo, mas o governo articula a inclusão disso no texto.

 

A regra que possibilitava o reajuste do salário mínimo acima da inflação deixou de valer em 2019. Essa nova mudança, no entanto, permitiria o congelamento do mínimo, sem reposição da inflação.

 

Para o ano que vem, o governo estima que o reajuste levará o salário mínimo de R$ 998,00 para R$ 1.039,00 levando em conta apenas a inflação.

 

Fonte: UOL

Por: Eduardo Castro

Expediente

Andres Editora Jornalística Ltda.
Rua Riachuelo, 928 - Centro São Borja,RS - 97670-000
Fones: (55)3431-1100 / 3431-2394
Email: [email protected]

assinatura