O ex-deputado federal Beto Albuquerque confirmou, na noite da última segunda-feira (30), através das redes sociais, que pretende concorrer ao cargo de governador do Rio Grande do Sul nas eleições de 2022. A pré-candidatura do passo-fundense será lançada pelo Partido Socialista Brasileiro (PSB) neste sábado (4), às 10h30min, no auditório Dante Barone, na Assembleia Legislativa.

As tratativas para definição do nome de Beto vinham sendo costuradas pelo partido, ao qual é filiado há 35 anos, desde abril deste ano. O pré-candidato revela que aceitou o desafio após receber um apelo da direção nacional do PSB. “Eles pediram que eu disputasse essa eleição diante de todo o quadro político complexo que estamos vivendo. Eu avaliei muito antes, mas pela experiência que já tenho, me sinto preparado para fazer essa disputa”, relatou em entrevista à reportagem de O Nacional, referindo-se à extensa trajetória política que carrega.

Formado em Direito pela Universidade de Passo Fundo (UPF), Beto Albuquerque atuou como deputado estadual durante duas legislaturas e como deputado federal por quatro mandatos consecutivos. Em 2010, chegou a lançar-se como pré-candidato ao Governo do Rio Grande do Sul, mas acabou desistindo da candidatura cinco meses antes do pleito. Já nas eleições de 2014, concorreu à vice-presidência na chapa de Marina Silva e, em 2018, ao cargo de senador, quando fez 1,7 milhões de votos. “É essa experiência que me dá, de certa forma, uma consciência tranquila em poder disputar a eleição do próximo ano com um bom debate e uma política de diálogo, com respeito às diferenças”, garante.

De acordo com Beto, a decisão em lançar a pré-candidatura com antecedência — mais de um ano antes das eleições, marcadas para outubro de 2022 — é motivada pelo desejo de tornar-se uma figura conhecida no Estado. “Quero oportunizar aos gaúchos e gaúchas que conheçam minha história, minhas ideias, minhas convicções e o meu desejo de sermos um Estado conhecido pelo que somos hoje e não pelo que fomos no passado. Para que não haja na eleição do Estado o que, muitas vezes, se repete em outras disputas, quando a população não presta atenção ao candidato que elege e acaba se arrependendo do voto”.

Pré-candidato considera ser cedo demais para anunciar possíveis coligações

Embora a direção nacional do PSB venha sinalizando uma possibilidade de aproximação com o Partido dos Trabalhadores (PT), Beto Albuquerque afirma ser cedo demais para pensar em coligações para a disputa estadual. “O cenário político para o ano que vem ainda está bastante aberto, ainda não temos muitas candidaturas definidas. A minha prioridade agora é me tornar conhecido para os que ainda não me conhecem e propugnar minhas ideias e reflexões em relação ao futuro do Rio Grande do Sul. Mas a partir do momento que começarmos a dialogar e nos encontrarmos com outros partidos, essas alianças vão se formando”, adianta.

O ex-deputado ressalta ainda a importância da decisão dos partidos a nível nacional, que devem começar a ser moldadas no próximo ano, para que as realidades estaduais também possam ser definidas. “O que eu posso adiantar é que, no meu palanque, eu quero um candidato a presidente que respeite e acredite na democracia e nas nossas instituições e, claro, que me apoie. São duas regras básicas para mim”, crava.

Fonte: Claudia Dalmuth (O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo.)

Expediente

Andres Editora Jornalística Ltda.
Rua Riachuelo, 928 - Centro São Borja,RS - 97670-000
Fones: (55)3431-1100 / 3431-2394
Email: [email protected]

assinatura